O Grande Gatsby

Um fato interessante à respeito da história da literatura do início do século XX é a chamada lost generation. Durante a Belle Époque estadunidense, pessoas ricas, bonitas e influentes escrevendo, com enorme sucesso, histórias de guerra, amor, sedução... mostravam a efervescência cultural da época. O mundo era apanhado de oportunidades para esses jovens, oportunidades para se contar boas histórias.

NYC na década de 1920

Expoente dessa geração intelectual, o descendente de banqueiros do estado de NY, hipocondríaco e casado com uma maluquete, F. Scott Fitzgerald escreveu, em 1925, o livro O Grande Gatsby, onde retratava a burguesia nova-iorquina. Jovens, belos e ricos, que passavam de uma festa a outra, aproveitando a juventude escutando jazz, ostentando luxuosidade e brincando viver.

Não havia preocupações para essa geração, ganhadora da Grande Guerra, que colhia os frutos de uma economia que crescia a pleno vapor e aproveitava as benesses da tecnologia (luz elétrica, carros, aviões, etc.).

Livro: O Grande Gatsby

O livro acompanha Nick Carraway, jovem que se aproxima do misterioso Jay Gatsby, homem milionário, cuja fortuna despertava os mais variados rumores e intrigas e que era um grande anfitrião. A casa de Gatsby vivia cheia de convivas, em grandes festas, que varavam noites ao som do jazz, o ritmo dançante do momento. Gatsby aproximou-se de Carraway por este ser primo de uma antiga paixão (Daisy), que, agora, estava casada com Tom Buchanan, um membro da tradicional aristocracia norte-americana. A trama gira em torno do enlace amoroso de Gatsby e Daisy e de todas as conseqüências da reaproximação dos dois.

Filme: O Grande Gatsby (1974)

Vale a pena ver o retrato trazido pelo autor. É a NY da década de 20, com todas as suas bebidas contrabandeadas, coquetes bailando pelos vastos salões dos hotéis e casas com seus vestidos esvoaçantes, carros luxuosos e vida desvairada.

Há um momento que a obra ganha tons de suspense, pois a tensão surgida a partir do triângulo amoroso não tem um desfecho muito bom. Não vou me adiantar no assunto, pois não quero dar mais spoilers, hehe. Vale a pena ler o livro para conferir!

Filme: O Grande Gatsby (2012)

Há um filme, de 1974, com Robert Redford e Mia Farrow, que adapta o livro com maestria e fidelidade, com grande destaque ao figurino e à trilha sonora. Vem por aí um novo filme, que estréia em dezembro desse ano, com Leonardo Di Caprio, as fotos que saíram, como prévia, dão a impressão de que o filme será muito bom. Assim espero!